Um sócio designer não é apenas “útil” na criação da marca e interfaces de algum sistema, suas habilidades e vivências fora dessa área técnica também tendem a trazer um grande diferencial para o projeto.

Mas por que designers?

Se você puxar na memória, rapidamente algumas empresas de sucesso como: Airbnb, Instagram, Slideshare, Tumblr, Vimeo, entre tantas outras, vai notar uma semelhança entre elas.  Todas elas tiveram designers dentro da sua equipe de fundadores.

Entre os exemplos, aqui citados, o mais didático é do Airbnb, pois o designer estava presente desde o começo da empresa. Seus fundadores, estudantes de design na época, precisavam de ajuda para pagar o aluguel de onde viviam.

Então tiveram a ideia de alugar o próprio espaço para ajudar nas contas e o sistema começou a ser desenvolvido a partir daí. A partir de 3 aluguéis iniciais, hoje a empresa movimenta bilhões.

Logo no início, já com pessoas utilizando o sistema, eles perceberam como os usuários postavam fotos mal tiradas, que minavam chances reais de locação dos espaços. Claro que qualquer um poderia perceber o problema, mas talvez tenha sido percebido logo de cara, devido a bagagem estética que os fundadores tinham.

Após esses primeiros ajustes visuais, a empresa só foi crescendo. O foco no design e na experiência do usuário sempre foram priorizados, sendo esse um dos motivos para o sucesso da empresa.

Estudar User Experience é algo que todos, no mundo dos negócios, precisam fazer. Mas a vantagem que os designers e desenvolvedores tem sobre outras profissões é que já possuem uma tendência em ter uma atenção maior na Experiência do Usuário. Talvez muito disso venha da curiosidade natural do designer, que é essencial para a área, já que é preciso estar sempre curiosos em testar e ver como o usuário reage em cada situação dada por nós.

E é aí, que os designers levam vantagem, mas a análise precisa ser criteriosa, coisa que muitos criativos não conseguem desenvolver. Nessa parte entra o estudo e a dedicação que são primordiais para um bom resultado.

Uma nova tendência, não só dentro do design, mas em todas as áreas do conhecimento, é o profissional fullstack, ou seja, alguém que consiga se desenvolver bem em diversos segmentos relacionados.

Todos os profissionais devem ser multidisciplinares pois todo mundo tem algum potencial que pode ser mais desenvolvido, e a mentes criativas tendem a ter vários desses potenciais totalmente inexplorados e desperdiçados.

A importância dos designers na empresa pode facilmente passar do operacional, criação de layouts, branding, imagens para redes sociais, entre outros exemplos que, obviamente, são também essenciais. Mas um bom aproveitamento do designer pode ir muito pro lado da própria estratégia da empresa.

O termo design é intimamente ligado com o significado de projeto. Projeto é algo a ser executado, e para executar bem, precisa ser feito com estratégia. Então todo designer participa, mesmo que indiretamente na estratégia da empresa.

Entre tantas funções em uma empresa, o profissional criativo é um dos que mais podem dar a essência ao projeto, pois participa ativamente da estratégia, administrando a experiência do usuário em detalhes.

Tudo que é feito representa a empresa de uma maneira que hoje é a mais forte, a visual. Por isso uma visão de dono aqui precisa ser constante. O cuidado com a marca e tudo que for feito com ela. E quem melhor para ter esse cuidado que não um dos fundadores da empresa?

Montar uma equipe para iniciar um projeto não é algo simples, várias coisas devem ser levadas em consideração. Mas talvez analisando esses pontos, você considere um profissional criativo nessa base.

Fonte: Design Nerd